Frutificar: Semeando Esperança

 
 

Produção de mudas do projeto

“Semear esperança”. Esse foi um dos objetivos do projeto Frutificar - Uma nova geração na preservação do cerrado, realizado pela ONG Ação Moradia, em parceria com a OPA e com o apoio do Instituto Alair Martins, através de recursos das empresas Martins e Tribanco.

Essa ação consistiu em criar um viveiro para a produção de mudas do cerrado, por meio da Ação Moradia, que já desenvolve trabalhos de geração de renda para jovens com idades entre 14 e 21 anos.

E essa ação já deu frutos: em um ano de atividade, o Frutificar produziu 26.262 mudas e vendeu 4.788 mudas de espécies nativas do cerrado. Além disso, capacitou 25 jovens para as atividades técnicas relacionadas ao viveiro e, ainda, convocou produtores rurais e órgãos oficiais para sugestões e críticas, além de auxiliá-los quando surgidos o interesse e a necessidade de reflorestar.

O que se observa, porém, é que a principal dificuldade em se produzir espécies nativas é a falta de orientação sobre sua capacidade de adaptação ao ambiente. Muitas vezes acontece dessas espécies serem colocadas em áreas impróprias, onde não suportariam a grande exposição ao sol ou não tolerariam inundações, por exemplo.

Para facilitar isso é que a OPA entrou como parceira no projeto. Com o conhecimento em educação ambiental que possui, a organização desenvolveu a capacitação profissional desses jovens e seus familiares mais próximos, através de palestras, oficinas, entre outras atividades.

Outra participação da OPA nesse projeto aconteceu em agosto de 2006, no “Concurso de Desenhos de Espécies do Cerrado”, no qual a gestora de projetos, Polyanna Duarte, atuou como jurada. Cerca de 600 crianças demonstraram, por meio da arte, o seu carinho e atenção para com o meio-ambiente. Foram dez trabalhos selecionados, sendo que três receberam prêmios e o primeiro lugar foi escolhido para desenhar o guia com informações sobre as espécies produzidas no viveiro, já em fase de produção.

Além da OPA e da Ação Moradia (www.acaomoradia.org.br) o projeto contou também com a colaboração da Universidade Federal de Uberlândia – UFU, representado pelo Laboratório de Semetes e pelo Programa Tutorial da Agronomia (Pet-Agro).  

 

 

 

Conheça outros projetos da OPA



Dicas

Arara canindé

Leia mais

Arara canindé

Arara canindé



A


Arara canindé

Nome Cientķfico: Ara ararauna Alimentaēćo: Frutos de casca dura, que quebram com o bico forte. Aprecia os cocos do bacuri e frutos do combaru, jatobį, mandovi e, sobretudo do pequi, įrvore tķpica do Brasil central Reproduēćo: de 1 a 3 ovos, sua incubaēćo dura cerca de 25 dias.Os filhotes abandonam o ninho com 13 semanas de vida Habitat: beiras de matas, vįrzeas de buritizais Distribuiēćo Geogrįfica: desde a América Central até Sćo Paulo Para alguns, essa é a arara mais bela de todas e, como as outras, prefere frutos nativos. Tem uma ampla distribuiēćo, mas jį desapareceu de grandes įreas. Ainda é bastante comum em diversas įreas de vįrzea no Parį. Depois da época reprodutiva, quando as aves se espalham pela mata, a espécie forma grandes poleiros coletivos. Ver dśzias de araras canindés chegando pela bela luz da tarde a esses poleiros é um dos grandes espetįculos da natureza na Amazōnia. Foto: Universidade do Amazonas Portal Amazōnia 01.09.2005-GC .

Logotipo da OPATopo

OPA! Organização para a Proteção Ambiental
Av. Marcos de Freitas Costa, 84 - Sala 5
Bairro Daniel Fonseca
CEP 38400-328 - Uberlândia - MG - Brasil

Licença Creative Commons Desenvolvido por FSaldanha Comunicação